sábado, 21 de janeiro de 2012

O que significa imaginação sociológica?

O termo é da autoria do sociólogo americano Charles Wright MillsImaginação sociológica significa olhar para as coisas de uma maneira diferente daquela a que estamos habituados na vida quotidiana mas sim olharmos numa perspectiva mais vasta. Para compreendemos os nossos problemas pessoais, temos que nos situar num determinado período, num certo quadro histórico e numa determinada realidade social. A capacidade que temos em associar todos esses elementos e relacionar com o comportamento de um indivíduo Mills denomina de Imaginação sociológica. Uma outra característica atribuida por Mill é a de corresponder a capacidade de mudarmos a nossa perspectiva para uma nova, sempre na tentativa de conseguirmos uma visão total da sociedade e de todos os elementos que dela fazem parte. 

Esta é a primeira postura que um estudante de sociologia deve adquirir ao longo do curso e da sua carreira. Para adquirir a imaginação sociológica, o indivíduo deve abster-se de todas as noções que ele adquiriu ao longo da vida com relação a uma determinada coisa, e passar a vê-la como algo desconhecido, algo parecido com a noção de Coisa de Emilé Durkheim.

Hoje são muitas as crianças que ao chegarem na quinta classe apresentam enormes dificuldades de leitura e escrita. Muitos podem associar essa dificuldade a uma mera incapacidade mental dos alunos. Mas quando olhamos o mesmo fenómeno num plano mais amplo, podemos observar que o surgimento de novas tecnologias de informação como os telemóveis, computadores, internet reduzem o tempo que os alunos se dedicam nos estudos. Além disso, podemos ver que a medida do governo em reduzir o número de docentes licenciados nas escolas públicas e a contratação de docentes com o nível médio contribuiu significativamente para a baixa qualidade do ensino. Podemos ir mais ainda mais longe. Uma vez que o país depende de parcerias externas para o financiamento da educação no país, se se observar uma redução das verbas destinadas ao sector da educação pode trazer altas consequências para o ensino a nível nacional. Assim, um problema que parece ser apenas particular pode ser relacionado com os aspectos mais gerais da sociedade, aplicando a imaginação sociológica

4 comentários:

Marcos SINATE disse...

Caro, Tomás,
Concorco com a explicação que nos apresentas aqui sobrea a imaguinação sociológica de Wright Mills. Não é também menos verdade que possamos estabelecer relações entre as dificuldades de leitura e escrita que as cianças da 5a classe apresentam com o advento e expansão nas novas TIC's.
Contudo, em relação ao primeiro ponto, é importante procurarmos perceber quem são as crianças que apresentam tais dificuldades. Será que todas as que não têm acesso às TIC's não apresentam dificuldades? Será que as novas TIC's é que são necessariamente responsáveis pela redução do tempo para a revisão das matérias escolares? Há mais questões que poderiam ser levantadas em relação a este assunto.
O segundo ponto, que é relativo aos professores não licenciados que leccionam no nível primário, é importante saber que existem os IMAP's que formam professores para estes referidos níveis. Assim, reservam-se os bacharéis e licenciados para o ensino secundário e superior (em função das suas qualidades intelectuais para este último nível).
Finalmente, permito-me intervir em relação ao financiamento externo que ''alimenta'' o nos SNE. Realmente, afirma-se que ele existe e que os financiadores exijem resultados satisfatórios e por isso os professores manipulam os resultados dos alunos, etc. Na minha opinião, a redução da verba não vais significar necessariamente a redução da qualidade das aulas que os professores dão. Se isso ocorrer, teremos que duvidar da formação de tais professores. Não consigo entender até que ponto um indivíduo bem formado e competente possa a ''sujar a sua imagem'', fazendo mal um trabalho que ele bem conhece e consciente das suas consequências nas sociedade.
Não pretendo com estas palavras afirmar que o que apresentas neste texto esteja errado, mas que esses assunto podem ser vistos e questionados de diferentes maneiras. Mas também para reforçar a ideia de que só através duma imaginação sociológica podemos compreender esse(s) fenómeno(s).

Marcos SINATE disse...

aro, Tomás,
Concordo com a explicação que nos apresentas aqui sobre a imaginação sociológica de Wright Mills. Não é também menos verdade que possamos estabelecer relações entre as dificuldades de leitura e escrita que as cianças da 5a classe apresentam com o advento e expansão nas novas TIC's.
Contudo, em relação ao primeiro ponto, é importante procurarmos perceber quem são as crianças que apresentam tais dificuldades. Será que todas as que não têm acesso às TIC's não apresentam dificuldades? Será que as novas TIC's é que são necessariamente responsáveis pela redução do tempo para a revisão das matérias escolares? Há mais questões que poderiam ser levantadas em relação a este assunto.
O segundo ponto, que é relativo aos professores não licenciados que leccionam no nível primário, é importante saber que existem os IMAP's que formam professores para estes referidos níveis. Assim, reservam-se os bacharéis e licenciados para o ensino secundário e superior (em função das suas qualidades intelectuais para este último nível).
Finalmente, permito-me intervir em relação ao financiamento externo que ''alimenta'' o nosso SNE. Realmente, afirma-se que ele existe e que os financiadores exijem resultados satisfatórios e por isso os professores manipulam os resultados dos alunos, os alunos já não passam de classe, mas progridem, etc. Na minha opinião, a redução da verba não vai significar necessariamente a redução da qualidade das aulas que os professores dão. Se isso ocorrer, teremos que duvidar da formação de tais professores. Não consigo entender até que ponto um indivíduo bem formado e competente possa a ''sujar a sua imagem'', fazendo mal um trabalho que ele bem conhece e consciente das suas consequências nas sociedade.
Não pretendo com estas palavras afirmar que o que apresentas neste texto esteja errado, mas que esses assuntos podem ser vistos e questionados de diferentes maneiras. Mas também para reforçar a ideia de que só através duma imaginação sociológica podemos compreender esse(s) fenómeno(s).

Vanessa Silva disse...

Estou iniciando o estudo de Sociologia, então, academicamente não posso fazer nenhum comentário construtivo. Mas em relação aos erros de Português, tenho esse poder. Meu Caro, não consigo me prender nesta discussão, quando os erros são bem nítidos. Aceite isso como uma crítica construtiva.
Bom trabalho!

Anônimo disse...

Gostaria de dizer para todos
O problema da nossa educação primeiro começa pelo salário dos professores; O Estado com pouco investimento para educação - não quero nem falar de corrupção/ e gasta mal
; e uma quantidade significativa de professores sem condiçoes para exercer o cargo.
Para finalizar quero dizer que a imaginação sociológica e englobar na discussâo as questoes economicas sociais e politicas, ou seja, o individual e o coletivo...